1 - PARA QUEM POSSA INTERESSAR - Introdução



O interesse pelas palavras sempre existiu, desde que me lembro por gente. O interesse pela crônica, especificamente, apareceu há alguns anos através das atividades de relações públicas que desenvolvi na empresa onde trabalhava. Como era inevitável, acabei me envolvendo com a área de jornalismo. Primeiro pequenas colaborações no jornal empresarial, depois um boletim semanal para cerca de 2.000 pessoas que não estavam interessadas em ler. Era preciso conquistar esse público arredio.

A chave que abriu este filão foi, simplesmente, a "conversa fiada". Aquela conversa de amigos, regada a cerveja e tira-gosto, onde se fala do que acontece, das notícias do dia, dos sonhos, da vida. Um ajuste aqui, outro ali e os fatos marcantes que aconteciam na empresa chegavam aos empregados através deste bate-papo.
Foi uma ousadia colocar no meio empresarial esta linguagem tão distante do estilo formal utilizado no meio. No espaço de um ano conseguimos reabilitar o boletim. Foi uma vitória.

As pequenas crônicas começaram a aumentar em tamanho e número. Daí para a faculdade de jornalismo foi um pulo. Já que estava envolvida com a área dos impressos, por que não aprender direitinho?
Mas este foi apenas um dos ângulos pelo qual a crônica me "pegou". Um dia alguém me diz que tem um recadinho para mim no jornal "A Tribuna". Estava lá, na coluna Gente e Coisas da Cidade, da jornalista Lydia Federici. Foi uma emoção diferente receber um recado através de uma crônica, sabendo que milhares de pessoas também estão lendo aquelas palavras e, por um momento, você é a estrela daquele acontecimento.

Eu me diverti e são esses pequenos momentos de alegria que compõem a felicidade da gente. Na verdade, esta não foi a única vez em que achei algumas palavras para mim, na coluna da Lydia, mais duas vezes ela tornou a mencionar meu nome. Aliás, meu "nome de guerra": Nisia Maria. É assim que a grande maioria me conhece.

Eu estava irremediavelmente fisgada por este gênero ambíguo , matreiro, arteiro, que, falando das coisas simples do cotidiano, desafoga nossos sentimentos. De repente, eu percebi que, do mesmo modo que as palavras de alguém me emocionavam, eu também podia fazer rir ou chorar. Ainda não consigo descrever com clareza aquilo que sinto quando observo o rosto de um leitor. Só sei que faz bem, que gosto, e que eles também gostam! Portanto, porque não dividir com muitos minhas idéias, minhas palavras ?

Decidi desenvolver este trabalho sobre a crônica porque o assunto me encanta, é simples e complexo ao mesmo tempo; porque percebi que quase não há literatura específica sobre o assunto. Existem capítulos embutidos nos mais diversos livros, o que dificulta muito o aprendizado sobre o tema, além dele ser considerado por muitos sem importância e até um tanto marginal. Entretanto, apesar do preconceito, a crônica sobrevive e gostem ou não muitos autores e jornalistas, ela tem seu espaço garantido. Não dá para suportar tanta "realidade" sem um pouco de tempero.

Este trabalho é baseado na reunião das idéias de vários autores e jornalistas, entremeado com minhas idéias; essencialmente didático, tento apresentá-lo de forma agradável para leitura, expondo conceituação, gênero, fontes, estrutura, linguagem, estilo etc. Finalizando, a vivência de um cronista conceituado: Lourenço Diaféria. A intenção é fornecer algum subsídio para quem possa se interessar sobre o assunto.

1- Massaud, Moisés. A Criação Literária. Melhoramentos, SP, 1979, 9a. ed., pág. 245.


2 comentários:

Gilson disse...

A mim interessa, e tanto que até coloquei o seu Blog nos meus favoritos. Adorei ter achado este teu espaço, e estou aprendendo muito com ele. Não foi por acaso, eu escrevi a palavra crônica no Googles e cheguei até você. Timidamente, eu diria, por gostar muito de escrever, não tão bem assim, me enveredei pelo caminho da crônica, por achar este estilo fascinante por sua liberdade de expressão. Estou iniciando um Blog onde quero escrever "conversas fiadas" como você diz, e quero ter coragem de um dia mandar o link pra você dar uma olhadinha.

Patrícia disse...

Adorei e vou visitar mais vezes. Delícia de leitura. Que envolve, encanta e transporta.

Parabéns. Sucesso. Sempre.